Skip to content
narrow screen wide screen auto screen Increase font size Decrease font size Default font size blue color orange color green color

Asproeste

A Asproeste Informa

Prezados, 1- Todos , sem exceção, pagarão a partir de 2016, de taxa de ocupação no valor de 2%. 2- O laudêmio continua no valor de 5%, porém, o valor das benfeitorias fica excluído. Não há mais necessidade de procurar a EMATER para a redução.  

LEI Nº 13.240, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015.

Art. 27. O Decreto-Lei no 2.398, de 21 de dezembro de 1987, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 1o A taxa de ocupação de terrenos da União será de 2% (dois por cento) do valor do domínio pleno do terreno, excluídas as benfeitorias, anualmente atualizado pela Secretaria do Patrimônio da União.

I - (revogado);

II - (revogado).

“Art. 3o A transferência onerosa, entre vivos, do domínio útil e da inscrição de ocupação de terreno da União ou cessão de direito a eles relativos dependerá do prévio recolhimento do laudêmio, em quantia correspondente a 5% (cinco por cento) do valor atualizado do domínio pleno do terreno, excluídas as benfeitorias.

Art. 28. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Este texto não substitui o publicado no DOU de 31.12.2015 - Edição extra

 

DECRETO-LEI Nº 2.398, DE 21 DE DEZEMBRO DE 1987.

Art. 1o A taxa de ocupação de terrenos da União será de 2% (dois por cento) do valor do domínio pleno do terreno, excluídas as benfeitorias, anualmente atualizado pela Secretaria do Patrimônio da União. (Redação dada pela Lei nº 13.240, de 2015)

I - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 13.240, de 2015)

II - (revogado). (Redação dada pela Lei nº 13.240, de 2015)

--

ASPROESTE

MAIS INFORMAÇÕES

CONTATOS:

3478 1335 /34781336

 
Jovem dá aulas gratuitas de patinação a jovens que não têm como paga

A partir de hoje, o Correio conta a história de pessoas que contribuem para a construção de uma cidade melhor, como a de Henrique Pamplona, que decidiu fazer a diferença



Antonio Cunha/CB/D.A Press


Disponibilizar-se para o bem comum. Com esse princípio, o jovem atleta Henrique Pamplona, 26 anos, vai em direção ao Núcleo Rural Lago Oeste, em Sobradinho, duas vezes na semana, para lecionar a patinação artística para mais de 30 crianças e adolescentes. O projeto, ainda sem nome, ensina o esporte para aqueles que nunca imaginaram um dia aprender a atividade. No Dicionário Aurélio, a definição seria contribuir para que outrem faça alguma coisa; favorecer; facilitar. A palavra em questão: ajudar. A partir de hoje, o Correio publica a série #PrazerEmAjudar. Cinco casos de pessoas e grupos que contribuem para a construção de uma Brasília melhor.

O projeto de Pamplona iniciou há três anos, nos intervalos dos turnos do Centro de Ensino Fundamental Professor Carlos Mota. Em seguida, foi transferido para a quadra de esporte da Associação dos Produtores Rurais do Lago Oeste (Asproeste). No começo, poucos frequentavam as aulas; depois, a procura aumentou e, com o tempo, mais interessados surgiram. Os 40 pares de patins pertencem a Henrique Pamplona, que os disponibiliza para a ação. Como atleta, o jovem participou de diversos campeonatos, é tricampeão Brasileiro e campeão sul-americano. O projeto é gratuito, mas aqueles que têm condições auxiliam com o a quantia que podem. Os valores são revertidos para a compra e a manutenção de equipamentos. “Faço isso com dedicação. O esporte vem com uma das melhores formas de educar e promover o amadurecimento do ser humano”, justifica o voluntário.

Antonio Cunha/CB/D.A Press


Entre os primeiros participantes, está a estudante Luziene Pereira Cardoso, 17 anos. “Sempre quis patinar, desde criança, mas nunca tive oportunidade. Quando disseram que ia começar aulas aqui, fui uma das primeiras a me inscrever”, lembra. A participação no programa esportivo solidário rendeu a ela três participações em campeonatos. Em duas etapas do Brasiliense de Patinação Artística, a garota conquistou o segundo e o primeiro lugares do pódio.

A dedicação nas aulas fez com que Luziene se tornasse uma das monitoras do projeto social. “Da mesma forma que ganhei a oportunidade de aprender um esporte, quero contribuir para que outras crianças e adolescentes tenham a mesma sorte que a minha. Eu não teria condições de pagar. Ajudo hoje, e quero continuar no futuro”, comenta. Diante das conquistas, a garota pretende seguir carreira no esporte. “É algo que me faz bem.”

Antonio Cunha/CB/D.A Press


Assim como Luziene, o estudante Daniel de Almeida, 17, já participou de disputas esportivas. “Nunca pensei em fazer patinação, mas sempre fui interessado em esportes e em artes. As aulas aqui são de grande valia, uma vez que abrange uma comunidade que carece de práticas esportivas. É um projeto para todos”, declara. O gosto pelo esporte é tanto, que o jovem também pretende seguir carreira de patinador profissional. “Depois da escola, esse é um lugar que me sinto bem. A patinação propicia isso pra mim; por isso, pretendo continuar”, afirma.

“Criei um amor pelo esporte. Não esperava que seria tão bom.” As frases são da estudante Luíza Beda, 16, que, desde o início, participa das aulas de patinação. Antes, as caminhadas com patins eram apenas nas ruas da região ou nos parques. Depois que ela começou a participar do projeto social, o desempenho no esporte melhorou. Hoje, ela sabe as coreografias e principais manobras exigidas nas grandes disputas. “O projeto ocupa meu tempo de uma forma produtiva. A realização das aulas é uma chance para aqueles que não poderiam arcar com os custos. Isso beneficia muito a população.”

Fonte: Correio Braziliense. A matéria original você confere clicando aqui.

 
Curso de preenchimento do Cadastro Ambiental Rural

Srs. Associados,

Conforme divulgado em Assembleias da Asproeste, até o inicio de Maio de 2016, todos os ocupantes, posseiros e proprietários de terras rurais são obrigados a preencher via internet o Cadastro Ambiental Rural.

Nesse sentido, a Asproeste, em convênio com o Instituto Brasília Ambiental da Secretária do Meio Ambiente do Distrito Federal (IBRAM), realizará um curso sobre o preenchimento desse Cadastro.

O curso será na Asproeste, no dia 30 de Janeiro de 2016, sábado, das 08h às 17h.

Para participar, solicita-se que os participantes tragam notebook com os softwares listados abaixo já instalados.

Salientamos, por fim, que o número de vagas para o curso é de até 25(vinte e cinco) participantes e, por esse motivo, quem fizer o curso deverá atuar como multiplicador dos conhecimentos a outros moradores, auxiliando-os no preenchimento de seus respectivos cadastros.

Lista de Softwares

Google Earth:
https://www.google.com/earth/

QGIS:
http://www.qgis.org/en/site/

SICAR:
http://www.car.gov.br/

ATENÇÃO! Baixe o SICAR a partir do link com a bandeira do Distrito Federal.

Pedimos aos interessados que nos um enviem e-mail solicitando a inscrição com informações acerca da disponibilidade para repassar o conhecimento aos demais associados e moradores da região interessados no preenchimento do CAR. Após realização do procedimento, aguardar os resultados do processo seletivo.

 
GUIA DE CAMPO Vegetação do Cerrado 500 espécies
O Guia de Campo da Vegetação do Cerrado – 500 espécies que disponibilizamos ao público é uma contribuição do Departamento de Florestas (DFLOR.SBF.MMA), voltado ao esforço de difusão de informações referentes ao bioma Cerrado. Procura com isso sensibilizar e conscientizar o grande público do valor e da importância estratégica desse bioma para a conservação da biodiversidade brasileira. Clique aqui ou sobre a imagem abaixo e baixe o seu!

Guia de Campo da Vegetação do Cerrado – 500 espécies
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>